19 dezembro 2010

O Passado


Meu passado! Será que todos os passados são tão obscuros quanto o meu? Isso eu nunca vou saber.
Me incomoda olhar para o meu passado, tão enegrecido, cheio de falhas, ilusões, dor e mágoa, muita mágoa.
Como acertar sem um dia falhar?
Como saber o que real, sem nunca ter vivido em ilusões?
Como saber o valor da felicidade, sem nunca ter sido triste?
Como perdoar sem nunca ter sido ofendido?
Percebe agora onde eu quero chegar?

Certo dia alguém me disse: Triste do homem que vive do passado.
Outro alguém me disse: Não se prenda ao que passou, pois se passou é porque era para ser passado, e se é passado é porque não era para ser presente.
Levei muito tempo para entender o significado do que me foi dito.
Use seu passado para aprender a viver o presente e preparar-se para o futuro.

Ainda me envergonho do meu passado.
Qual o ser não tem um segredo sujo do seu passado guardado à sete chaves?
Daqueles que não contamos nem à nossa própria sombra?
O passado nos persegue, não há como nem para onde fugir. Está impregnado em nós como fedor de esgoto.
Nos tortura, nos consome, no corrói.

Por muito tempo me debati tentando me livrar do que passou. Pura perda de tempo.
O segredo é desvendar a mensagem oculta incrustada no passado e aprender com ela.
Porém, não devemos esquecer que o passado nos reserva surpresas para o presente que no passado, era futuro.

Hoje, respeito meu passado, afinal, sem ele eu não seria a pessoa que me tornei no presente.
Agora, só falta saber quem eu me tornei.

Meus Sentimentos


    Quando caminhamos só tudo parece mais escuro e difícil. Todos os problemas parecem insolúveis. Todas as estradas parecem não levar à lugar algum. Nos sentimos frageís e subservientes, suscetíveis a angústias, mágoas e lágrimas.
    Até que certo dia nos surge alguém e esse alguém nos alegra e nos ilumina, nos conforta e nos desafia, e novamente nos torna frágeis e suscetíveis, desta vez por motivos melhores: o amor e a saudade.
    Muitas pessoas se perguntam em que momento começamos a amar, ninguém sabe ao certo. Eu acho que começamos a amar quando sentimos que a vida seria desperdício se não estivéssemos lado a lado, juntos realmente de certa pessoa; quando passamos a pensar por dois e para os dois; quando de repente, assim por acaso sentimos que existe a possibilidade da distância e da solidão. E principalmente quando vemos quem amamos afundado em pensamentos distantes, perdido e angustiado, desesperado e com medo. É nesta hora que passamos a ver quão imenso é o sentimos que nutrimos, que pode até ser chamado de "amor".
    Mediante a tudo isso descrito, eu sei que amo. Sofro quando você sofre, me alegro quando você sorri e choro quando você está distante, levado por sombras e fantasmas de um passado, coisas com as quais eu não posso e nem consigo lutar contra.
    Glória e felicidade maior seria se eu libertá-lo, ou ao menos, aliviasse seus temores afastando seus fantasmas.
    Prometi ser merecedor de sua confiança para que um dia você possa dividir comigo tudo aquilo que o perturba e te persegue. Apenas uma certeza me toma preenchendo as lacunas do passado, a certeza que eu te amo, você acreditando ou não.
    Sinta-se amado, afinal, não há benção maior. Apenas imploro, por mais difícil que seja, acredite, confie no meu sentimento. Ele é imutável.
    Por mais que outros tenham te ferido, magoado ou enganado, livre-se dos traumas e medos do passado. Creia que meu amor, carinho e dedicação por você são repletos e cobertos de sinceridade.
    Quando transpassei meus pensamentos e sentimentos para este papel, você estava tão tomado pelo medo, angústia e escuridão e até mesmo lágrimas que eu temia por tudo. Espero com toda fé, que as palavras que lhe dedico possam, de alguma maneira, surtir efeito e que você consiga sorrir.
   Seu sorriso, junto ao brilho dos seus olhos, iluminarão nossa caminhada que tem sido tão árdua.
   O sentimento que lateja dentro de mim eu transformei em três palavras: EU TE AMO!
   Acredite e confie!