20 abril 2011

Qual será meu caminho?

Penso em abrir mão do meu amor, um amor que me conquistou apenas pelo olhar. Um olhar enigmático que diz tudo e nada ao mesmo tempo.
Me sinto confuso pois não sei até que ponto é certo influenciar a vontade a alheia, afinal, não me sinto confortável em saber que toda e qualquer mostra de carinho ou dedicação é sincera, ou se é natural ou não. Enfim, se ele realmente gosta de mim.
Pouquíssimas ou quase nenhuma foram as vezes que me senti valorizado. Sempre me senti inferior a todos, seja pela minha condição fisíca, financeira ou profissional.
Cada vez mais me sinto distante das pessoas, cada vez mais eu busco o isolamento. Diversas vezes sinto que minha vida é insignificante.

Só pedi um amor, algo que me fizesse sentir o que estar vivo. Que me fizesse sentir que alguém neste imenso universo possa sim me querer, me desejar, se dedicar a mim da mesma maneira que me dediquei por outros por diversas vezes.

Que este não é o meu caminho, eu já percebi. E quanto ao meu coração? Será que meu Pai gostaria de ver o filho infeliz da forma como está?
Meu coração me diz para deixar esse sentimento correr solto por aí, que ele não é o meu caminho... Mas quem é o caminho de quem?
Me sinto uma pessoa insuportável, sei que nesse mundo eu não passo de mais um, e o que me pedem é que continue ou comece um caminho que me leve cada vez mais à "insigficância da vida".
Sei que posso estar errado no meu julgamento e certamente eu estou mas, depois de tanto tempo vivendo, ou melhor, sobrevivendo, sozinho me sinto cansado e sem forças para continuar
em um caminho que para mim parece tão incerto.
Só me resta levantar a cabeça, respirar fundo e seguir em frente sem olhar para trás. Pois, sei que lá na frente o futuro me aguarda com um lindo sorriso nos lábios e um caloroso abraço.

17 abril 2011

Não me olha assim

Por favor, não me olha assim. Não me olha assim porque só pelo seu olhar me sinto indefeso, me sinto frágil feito papel em uma fogueira que arde, queima e transforma meu coração em cinzas levadas pelo vento até se perder no horizonte azul.

Não me olha assim, afinal seu olhar tem a força de desvendar todos os meus segredos e mistérios e todas as minhas verdades mais obscuras. Tem o poder de impedir que eu minta ou omita absolutamente qualquer coisa de você.

Não me olha assim, seu olhar faz com que eu sorria ou chore a um simples comando seu, faz com que eu deseje dar tudo o que estiver ao meu alcance e o mundo se necessário só para vê-lo sorrir. Nada mais gratificante do que seu sorriso de garoto.

Não me olha assim, sou seu escravo, basta um simples olhar seu para que eu perca todas as minhas defesas e seja subjugado a seu bel prazer. E assim o faria se isto fosse te fazer feliz.

Seu olhar é mistério puro e eu luto para desvendá-lo e assim descobrir um pouco mais sobre você, seus desejos, seus anseios, seus medos e suas franquezas, porém é o seu olhar que arranca tudo isso de mim.

Através do seu olhar e da sua presença meu peito se enche de alegria e esperança. Uma esperança tola e singela em ganhar um carinho seu, um abraço ou qualquer demonstração de afeto que possa vir de você. Isso já me faz feliz.

Alegre-se, pois foi com seu olhar que a barreira que eu criei em torno do meu coração foi destruída. Assim pude sentir novamente algo bom e gratificante por alguém.

Ah esse olhar, tão lindo e iluminado, tão doce e sincero, tão frágil e sensível. Desmonta-me sem pestanejar e nem é preciso uma palavra, um gesto, nada, basta um olhar.

Ah, as lindas palavras que me dizem o seu olhar.

O que fazer ou pensar quando você me olha assim? Só que sou fraco a ponto de me entregar dessa maneira, a ponto de deixar com que tudo o que sempre acreditei seja posto a prova, que meu sentimento seja posto a prova. Há merecimento nisto tudo? Haverá recompensa ao final de tudo? Haverá ao menos um final?

Minha maior luta, agora que este sentimento renasceu com estrondosa força é fazer com que ele volte a hibernar dentro de mim. A cada dia cavo um buraco no cemitério do meu coração para enterrá-lo, mas parece que a cada dia ele se fortalece e cresce mais e mais, obrigando-me a cavar cada vez mais fundo...

E basta um olhar seu para que ele cresça ainda mais e mais, tomando conta de tudo em minha vida. Inclusive de mim mesmo.

E agora?


Cheguei até aqui, a duras penas, mas cheguei. Agora a partir daqui para onde vou? Que caminho seguir? Onde encontrar forças para seguir sempre em frente sem me prender a mágoas e ressentimentos? Como lidar com esse vácuo dentro do meu peito? Como ter forças para abrir mão de coisas que a meu ver me fariam feliz, e me dariam forças, porém me são negadas por motivos que eu não sei e muito menos entendo.

Dizer que me arrependo de algumas escolhas que fiz nos últimos tempos é verdade, dizer que pelo menos ter alguém ao meu lado faria com que me sentisse menos inútil também é verdade. Ainda não consigo enxergar uma luz nessa escuridão. Ainda me perco em mágoas e absurdos que fazem do meu coração um pedaço triste de solidão.

Tudo o que eu mais pedi para não ter é o que mais tenho tido: solidão!

Que mal há em se sentir amado e querido? Que mal há em ter uma pessoa que você sabe que lhe quer bem e lhe deseja e estaria disposta a fazê-lo feliz. Uma pessoa que se alegra quando você chega que sorri quando você também sorri e chora quando você também chora. Eu realmente não sei, achei que tudo seria diferente agora, não achei que fosse ser fácil, também não achei que fosse ser tão difícil e doloroso.
Só queria ter você pra mim, só queria pode te abraçar quando tivesse vontade sem ter que inventar desculpas para isso. Só queria não ter medo de encontra-lo. Só queria me alegrar ao ouvir a sua voz sem temer ouvir algo que me machucasse ainda mais.

Meu caminho até aqui foi repleto de sofrimento, repleto de escolhas erradas que fizeram com que me tornasse a pessoa que sou hoje... Na verdade não sou mais a mesma pessoa. Um dia eu fui forte o suficiente para enfrentar quase tudo o que a vida pudesse colocar em meu caminho. Hoje em dia eu já não me sinto assim. Sinto-me frágil e suscetível a qualquer coisa que possa vir a tentar me derrubar e a culpa é do meu coração. Por tempos vivi na solidão, ou melhor, sobrevivi na solidão. Usando de subterfúgios cada vez maiores para que eu me convencesse que a vida que eu levava era feliz e verdadeira.

Hoje sei que tudo não passou de ilusão, um grande circo onde bem no meio do picadeiro estava o palhaço principal: EU!
Não culpo ninguém por isso, às vezes sim, mas hoje tenho consciência de que o único culpado de todas as coisas ruins que aconteceram comigo fui EU mesmo.

E como encontrar forças para começar do zero? Seguir um caminho desconhecido, nunca antes trilhado por meus pés já tão cansados?

Como confiar na palavra alheia que me enche de adjetivos e predicados quando nem eu mesmo acredito em mim, nessas tais qualidades... Só acredito nos defeitos. Pode ser que eu esteja praticando auto piedade. Sim pode ser que sim. Mas como sair desse buraco que me encontro se nem ao menos força para segurar uma corda eu tenho tido?

Meu único pedido é tê-lo pra mim, e se não for para tê-lo que esse sentimento que carrego dentro de mim morra de maneira rápida e indolor, pois a única vontade que eu tenho agora é de simplesmente não fazer nada.